Arcos de Valdevez reduz desemprego em 30% no 1º semestre de 2018

Arcos de Valdevez fechou o 1º semestre de 2018, com uma redução do desemprego em 30% face ao mesmo período homólogo do ano anterior. Houve uma descida do número de desempregados, em todos os grupos etários e graus de escolaridade, mantendo a trajetória de descida do desemprego no concelho.
De referir ainda, que dos 10 concelhos do Alto Minho, Arcos de Valdevez foi um dos que registou, neste período, uma das reduções mais significativas do desemprego, segundo os dados do Instituto do Emprego e Formação Profissional.
Estas são boas noticias para o concelho e para quem queira viver, trabalhar e investir em Arcos de Valdevez, refletindo o trabalho conjunto que tem vindo a ser desenvolvido e as soluções encontradas pelo Município, o Centro de Emprego, as Instituições de Ensino e Formação, as Associações Empresariais e os Empresários.
De acrescentar ainda, que de acordo com informação disponibilizada pelo IEFP de Arcos de Valdevez, as áreas em que se tem vindo a registar mais ofertas de trabalho são a indústria, o turismo, a restauração e hotelaria e o serviço social, bem como a criação do próprio emprego.
A este nível apraz-nos relevar, o investimento que tem vindo a ser realizado pelo Município e com vários parceiros, nomeadamente na realização de vários eventos promocionais das potencialidades do concelho, na modernização dos parques empresariais e num conjunto de incentivos, dos quais se destacam: a isenção de derrama; preços simbólicos na aquisição de terrenos industriais; a redução de 50% das taxas municipais; a Via Verde para o empreende¬dor, com redu¬ção em 50% dos prazos para licenciamento; o acompanhamento do projeto; e o apoio a empreendedores atra¬vés do fundo municipal ArcosFinicia.
É com satisfação que o Município recebe esta noticia, o Presidente da Câmara refere que “temos novos desafios e um caminho a percorrer. Neste sentido, contamos com a colaboração de todos os agentes locais, para continuarmos a desenvolver um concelho com excelentes condições para viver, trabalhar e investir, que potencie a criação, expansão e atração de novas empresas e pessoas; que crie emprego e gere rendimento, fomentando a melhoria da qualidade de vida e a atratividade do território”.